10 de julho de 2017

| |
Um sereno senso de lenta inevitabilidade da gradual mudança na crosta da terra vem até a mim; um amor consumível, não por um deus, mas pelas limpas e inquebráveis pedras, as pedras sem nome, as ondas sem nome, a grama pisada, que são sem nome, tudo aquilo que foi definido momentaneamente e inconscientemente por aqueles que os observam. Com o sol queimando na pedra e na carne, o vento balançando a grama e o cabelo, há uma estranheza que cega o imenso inconsciente impessoal e as forças neutras irão durar, e que o organismo frágil, milagrosamente tricotado, que os interpreta, dá-lhes significado, se moverá um pouco, depois vacilará, falhará e se decomporá finalmente no solo anônimo, sem voz, sem rosto, sem identidade.

Nenhum comentário: